quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Que Hipócrates nos ajude!

Estava sapeando pela TV agora a tarde, rodando nos canais abertos que a antena permite, e fiquei impressionado com a quantidade de programas e até canais religiosos que existem. Parei em um deles, onde estava ocorrendo o finalzinho de uma entrevista. O entrevistado fez relatos de fatos pessoais que o faz ter crença no deus judaico-cristão. Tudo bem! Mas a pérola veio no final: para ele, a Ciência também provaria isso. Citou a NASA e o fato de a Terra ter condições perfeitas (zona habitável) para a existência de seres humanos. Isso seria, segundo ele, a evidência de que alguém projetou isso tudo para nós. De cara, uma posição bastante egocêntrica. Além, é claro, de desconsiderar outros bilhões de espécies que há aqui conosco, cuja grade maioria é muito mais antiga e duradoura que a nossa. Nada de novo, pois na Idade Média (isso mesmo!) era exatamente assim que se pensava. Mas o mais sério da afirmação é seu caráter totalmente invertido. São as condições físico-químicas da Terra que permitiram a surgimento da Vida aqui, e não a Vida que exigiu que estas condições fossem estabelecidas.

Ah sim, o entrevistado era médico! Que Hipócrates nos ajude!

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Estrela explode na Constelação do Golfinho


Uma estrela anã-branca¹ companheira de uma gigante vermelha², que compõem um sistema binário, sofreu uma colossal explosão. A estrela se encontra na constelação do Golfinho, que é bem visível aqui no hemisfério sul.
A estrela explosiva vem acumulando matéria da gigante vermelha, até atingir uma massa crítica que iniciou a detonação termonuclear. Esse tipo de explosão é chamada de Nova. O objeto foi denominado Nova Delphinus (Nova Golfinho, em latim). Desde o dia 14 desse mês, os astrônomos têm verificado que a estrela tem ficado cada vez mais brilhante.

¹ Estrela de dimensões pequenas, comparáveis a de um planeta, que já esgotou a maior parte de seu hidrogênio.
² Estrela de grandes dimensões, geralmente maiores que as órbitas dos planetas interiores do Sistema Solar.

domingo, 28 de julho de 2013

1º Ano do Colégio HK - Material do 1º semestre


Aos estudantes dos 1os anos do colégio Helena Kolody (Sdi/PR), eis material resumindo nosso primeiro semestre de estudo. Pode ser importante para quem quer estudar para o PAS-UEM deste ano, ou juntar algum material de resumo para um futuro vestibular.
E que a Força esteja com vocês.

1º Trimestre - 1º resumo
1º Trimestre - 2º resumo

2º Trimestre - resumo do I Simulado/2013

quinta-feira, 5 de julho de 2012

A Teoria de Campos de Peter Higgs: o bóson e o campo de Higgs


Muito se tem falado na detecção, anunciada no começo deste mês de julho, de uma nova partícula fundamental realizada pelos cientistas do CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares). A mídia, mais preocupada com repercução do que explicação, não aborda apropriadamente o tema e geralmente, para não dizer sempre, gera barreiras na compreensão dos conceitos e entes físicos envolvidos. Essa busca irresponsável por publicidade gerou o infeliz apelido de "partícula-deus" para o bóson de Higgs, com  conseqüências agravadas depois de um erro de tradução (será?) para "partícula de deus". O físico Leon Lederman descreve essa tática comercial da imprensa em uma obra sua entitulada "The God Particle".

Primeiramente, o bóson de Higgs é uma previsão teórica naquilo que é chamada de Teoria de Campos ou Teoria Quântica de Campos. Em Física de Partículas existe uma "família" de partículas chamadas bósons. Bósons são partículas "mensageiras" ou "intermediadoras". O campo eletromagnético é intermediado por um bóson chamado fóton, e que portanto tem relação com as cargas elétricas. O campo nuclear forte é intermediado por um bóson chamado gluón, que é relacionado com as "cargas nucleares". Para explicar a diversidade de massas das partículas da matéria previstas pela Física de Partículas, mais um bóson deveria existir, conforme proposta do físico teórico Peter Higgs. Higgs calculou quais as características dessa partícula então desconhecida (massa, nível de energia, carga, etc). Os físicos do LHC acabaram de detectar uma partícula nova, que está no mesmo nível de energia. Falta agora fazer as contas e ver se as outras características dessa partícula nova batem com a prevista por Higgs.

A importância desse bóson é grande porque ele seria o "portador de massa". Todas as outras partículas do universo teriam suas massas definidas a partir das suas interações com esse bóson previsto por Higgs. Partículas que interagem pouco com o bóson de Higgs (como o elétron) acabariam então sendo partículas leves. Partículas que interagem muito com o bóson de Higgs (como alguns tipos de quarks) acabariam então sendo mais pesadas. Então da mesma forma que o fóton e o glúon estão relacionados com a carga elétrica e a "carga nuclear", o bóson de Higgs está relacionado com a "carga da matéria", ou seja, com a massa. Teríamos então um modelo para a existência da massa que a matéria possui. O que é uma grande façanha, já que até hoje os físicos não definiram exatamente o que é massa, apenas admitem sua óbvia existência e seguem em frente.

Para maiores esclarecimentos o vídeo abaixo, de um físico de verdade, explica o que é o bóson e o campo de Higgs, sem os sensacionalismos e malabarismos marketológicos da mídia.







sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Ciência e humildade


Não foi fácil a humanidade aceitar que não estava no centro do Universo. Mas a então Teoria Heliocêntrica deu esse gigantesco golpe em nossa arrogância. Hoje ninguém é presunçoso o suficiente para não aceitar suas evidências.
Com a Teoria da Evolução via Seleção Natural (existiram outras vias que não se confirmaram) ocorreu a mesma coisa. Descobrimos que éramos mais um ramo desta grande "árvore genealógica", não seres especiais. A Teoria da Evolução via Seleção Natural, além de uma belíssima realização da Ciência, que nos enche, como a arte e a música, de uma profunda percepção estética, é também uma grande lição de humildade, uma aniquiladora de arrogância.